Preservativo

A história dos preservativos remonta pelo menos vários séculos, e talvez além. Durante a maior parte de sua história, os preservativos têm sido usados ​​tanto como método de controle de natalidade (contraceptivo) quanto como medida protetora contra doenças sexualmente transmissíveis.

Os preservativos foram feitos de vários tipos de materiais. Antes do século XIX, os lenços de linho e animais tratados quimicamente (intestino ou bexiga) eram as variedades mais bem documentadas. Os preservativos de borracha ganharam popularidade em meados do século 19 e no início do século 20, quando foram feitos grandes avanços nas técnicas de fabricação.

Antes da introdução da pílula anticoncepcional, os preservativos eram o método mais popular de "controle" de natalidade no mundo ocidental. Na segunda metade do século 20, o baixo custo dos preservativos contribuiu para a sua importância nos programas de planejamento familiar em todo o mundo em desenvolvimento. Os preservativos também se tornaram cada vez mais importantes nos esforços para combater a pandemia da AIDS. Os preservativos mais antigos já escavados foram encontrados em um poço de depósito localizado nas terras do castelo de Dudley e foram feitos de membrana animal, os preservativos datam de 1642.

Os preservativos são até hoje o único tipo de contracepção que podem impedir a gravidez e proteger contra infecções sexualmente transmissíveis (ISTs) com maior eficácia. Existem dois tipos de preservativos: preservativos masculinos, usados ​​no pênis; e preservativos femininos, vestidos dentro da vagina.

Os preservativos masculinos são feitos de látex muito fino (borracha), poli-isopreno ou poliuretano e são projetados para impedir que o sêmen de um homem entre em contato com seu parceiro sexual.

Além de comprovada sua importância na vida sexual como prevenção, as camisinhas também se tornaram um objeto de prazer, pois trazem cor, sabor e novas sensações durante o ato sexual. As opções são inúmeras e incluem aromas e alguns com sabor também, como morango, chocolate, menta, tutti frutti, morango com chocolate, champanhe, uva, caipirinha, entre outros, além de sensações de frio e calor. Outras opções como retardar a ejaculação, lubrificação extra e formatos estimulantes também estão disponíveis. Para aqueles que se preocupam com o conforto e aderência ao pênis, já há disponível nesta seção da loja desde o tamanho teen até o extra grande. Além dos modelos mais finos do mercado.

Quando usados corretamente toda vez que você faz sexo, os preservativos masculinos são 98% efetivos. Os produtos à base de óleo - como o hidratante, a loção e a vaselina - podem prejudicar os preservativos de látex e poli-isopreno, mas são seguros para uso com preservativos de poliuretano.

O lubrificante à base de água é seguro de usar com todos os preservativos.

Os preservativos precisam ser armazenados em locais que não são muito quentes ou frios, e longe de superfícies afiadas ou ásperas que podem rasgá-las ou danificá-los.

Colocar um preservativo pode ser agradável no sexo e não precisa se sentir como uma interrupção. Se você é sensível ao látex, você pode usar preservativos de poliuretano ou poli-isopreno. Um preservativo não deve ser usado mais de uma vez. Use um novo cada vez que você faz sexo.

Os preservativos têm uma data de validade na embalagem. Não use preservativos vencidos. Use sempre preservativos que tenham a marca do Inmetro no pacote. Isso significa que eles foram testados com altos padrões de segurança.

Como  funciona um preservativo
Os preservativos são um método de contracepção "barreira". Eles são feitos de látex muito fino (borracha), poliuretano ou poli-isopreno e são projetados para evitar a gravidez, impedindo o esperma de encontrar um óvulo. Eles também podem proteger contra ISTs se forem usados ​​corretamente durante o sexo vaginal, anal e oral.

Certifique-se de que o pênis não toque a vagina antes do preservativo ter sido colocado - o sêmen pode sair do pênis antes que um homem tenha ejaculado completamente. Se isso acontecer, ou se o sêmen entrar na vagina enquanto estiver usando um preservativo, você pode precisar de contracepção de emergência (pílula do dia seguinte). Você também deve considerar ter um teste de ISTs ou se tiver tido uma relação sexual com alguém desconhecido sem proteção e sentir insegurança, considere também buscar uma medicação de profilaxia pós exposição ao vírus HIV (PEP).

Como usar um preservativo
Retire o preservativo do pacote, tendo o cuidado de não arrancá-lo com a boca, metais ou unhas. Nunca abra o pacote com os dentes. Coloque o preservativo sobre a ponta do pênis ereto, segurando a ponta, que é o reservatório. Se houver ar no final do preservativo, use o polegar e o indicador delicadamente para retirar todo o ar. Role suavemente o preservativo até a base do pênis. Se o preservativo não rolar, você pode estar segurando errado ou ele estar inutilizado. Se isso acontecer, então jogue fora e tente novamente com um novo.

Após o sexo, retire o pênis enquanto ele ainda está ereto - segure o preservativo na base do pênis enquanto faz isso. Remova o preservativo do pênis, tomando cuidado para não derramar nenhum sêmen. Jogue o preservativo em uma lixeira, não no vaso sanitário. Certifique-se de que o pênis não toque novamente a área genital da (o) parceira (o). Se você fizer sexo novamente, use uma nova camisinha.

Usando lubrificante
Os preservativos são lubrificados para torná-los mais fáceis de usar, mas você também pode usar o lubrificante adicional. Isto é particularmente aconselhável para evitar o rompimento do mesmo.

Quem pode usar preservativo?
A maioria das pessoas pode usar preservativos com segurança, mas pode não ser o método mais adequado de contracepção para todos. Alguns homens e mulheres são alérgicos aos preservativos de látex. Se este é um problema, os preservativos de poliuretano ou poli-isopreno são menos propensos a causar uma reação alérgica.

Enfim, aproveite estas dicas e divirta-se muito!