Você sabia que os pés estão entre as partes do corpo mais desejadas sexualmente? Pois é o que apontam as pesquisas.

Ao fetiche ou atração por pés dá-se o nome de podolatria. O termo vem do grego podos (pés) + latreuo (adorar). Um fetichista de pés é considerado podólatra. Já quem gosta de exibir os pés é chamado de feet.

É algo considerado normal, tanto que é tão comum o desejo por pés e seus acessórios.

Agora, se dentro desse tipo de desejo houver a necessidade de machucar para sentir prazer, provocando sofrimento, e até obrigando a outra pessoa a participar, é considerado anormal.

Se for prazeroso, se estiver dentro do consenso para ambos e se não causar sofrimento, está tudo certo.

A prática da podolatria

Os adeptos da podolatria sentem prazer ao ver, tocar, lamber, cheirar, beijar, vestir, massagear pés, entre outras possibilidades.

Há também homens que adoram ver a mulher nua só de salto alto desfilando para eles. Alguns reforçam sua atração se os calçados forem bonitos e estilosos. Ou seja, para eles, pés lindos e bem calçados são extremamente excitantes, um belo salto alto valoriza e muito a mulher, deixando-a mais feminina, sensual e com porte de mulherão.

Outros curtem que a mulher pise em seu corpo, descalça ou de calçados, causando-lhes dor, uma "dor boa", considerada prazerosa.

A maioria dos adeptos da podolatria são homens, e a cada quatro homens, uma mulher tem atração ou fetiche por pés.

Não há regras, e sim muitas formas de sentir desejo sexual por pés, de sentir excitação com eles: uns gostam de certos formatos e tamanhos, há aqueles que gostam de pés bem cuidados, ou deles juntos de acessórios (como calçados e meias), e outros que gostam até mesmo de pés sujos ou malcheirosos.

Especialistas apontam duas categorias de pessoas que sentem desejo por pés: os estéticos, aqueles que se contentam em olhar, beijar, acariciar e elogiar os pés, entre outros; e os sexuais, que sentem necessidade de esfregar seus órgãos genitais nos pés e até gozar neles.

Ainda sobre esse ponto, existem indivíduos que se excitam ou sentem orgasmo só de olhar os pés de outro alguém — até mesmo por fotos.

A propósito, hoje existem grupos nas redes sociais onde as pessoas discutem e compartilham o fetiche por pés. Em geral, nesses grupos são compartilhadas imagens de pés femininos, sapatos e acessórios, assim como relatos de fetichistas e de pessoas que gostam de ter seus pés como alvo de desejo — por exemplo, mulheres que postam fotos de seus próprios pés em busca de elogios. Para os fetichistas, essas imagens funcionam como verdadeiros "nudes", e só de as verem podem ir à loucura.

Quando a podolatria passa a ser problema

Imagine alguém abordando pessoas dentro de uma loja, comentando, elogiando seus pés e pedindo para lambê-los, cheirá-los ou vesti-los. Muito provavelmente isso gerará confusão e poderá até ser considerado um caso policial, com constrangimento e problemas para todos os envolvidos.

Como já dissemos, a prática da podolatria é algo normal. Mas se passa de determinados limites, como envolver nas suas práticas os pés de alguém sem consentimento, ou se causar sofrimento, constrangimento ou culpa no fetichista, aí sim é um problema.

Nesse caso, a pessoa deverá procurar orientação, como terapia sexual ou acompanhamento com profissionais da psicologia.

Independentemente de qualquer coisa, se é algo que incomoda a pessoa ou o parceiro, essa pessoa deve procurar algum tipo de terapia.

Reforçamos, porém, que a maioria dos fetichistas por pés não busca tratamento por ter tais desejos, porque eles consideram algo natural na sua vida sexual e, portanto, normal.

Talvez a maioria dos amantes de pé não fale abertamente de seu fetiche com qualquer pessoa, por temerem ser mal compreendidos, ou por timidez, ou por receio de rejeição mesmo. Mas existem aqueles que não veem graça em ter o fetiche e precisar escondê-lo, por isso encaram críticas e deboches e consideram que falar abertamente traz benefícios (por exemplo, a aproximação de exibicionistas de pés). De qualquer forma, quando encontram pessoas que conhecem o assunto ou que não têm preconceito ou constrangimento com a prática, aí podem se realizar.

Mas de onde vem o fetiche por pés?

Segundo Sigmund Freud, o pai da psicanálise, definia fetichismo como sendo uma fantasia sexual ou um até mesmo um comportamento, no caso da podolatria transfere-se o desejo para os pés.

Existe uma crença popular de que o desejo por pés surja na infância, quando o indivíduo está mais no chão, mais próximo aos pés dos outros, sendo estimulado por essa proximidade, e isso acaba por influenciar na sua vida sexual.

Alguns médicos dizem que é porque a área que se relaciona com os pés no cérebro é muito próxima da que está associada com os órgãos genitais.

Algo que se relaciona com essa ideia é a descoberta recente do neurocientista Vilanayar Ramachandran, da Universidade da Califórnia, que disse ter resolvido o mistério de fetiches por pés enquanto estudava o mau funcionamento do cérebro que leva à Síndrome do Membro Fantasma – quando amputados sentem que seus membros em falta ainda estão em seus corpos.

Ramachandran concluiu que o cérebro de alguns amputados não só não conseguia apagar a imagem do pé do mapa de imagem corporal, mas também que esses pacientes sentiram prazer sexual de seus pés perdidos.

Bem antes da descoberta, o neurocientista tinha notado que áreas do cérebro associadas com os genitais e os pés são próximas umas às outras no mapa da imagem corporal do cérebro. “Talvez até muitos de nós, consideradas ‘pessoas normais’, tenham um pouco dessas ligações cerebrais, o que explicaria por que gostamos de ter nossos pés sugados”, disse Ramachandran.

Existem também estudiosos que acreditam que o fetiche por pés e por mãos passe por uma questão de representação, ou seja, no caso dos pés, representam firmeza, a parte do corpo que mantém o indivíduo em pé, que o conduz adiante.

Os pés e a sua sexualidade

E você, acredita que despertou algo diferente aí? Despertou a vontade de apreciar mais os pés alheios? Ou de exibir seus próprios pés? Se sim, que tal dar vazão a esses desejos? Lembre-se que as novidades são fundamentais para se alcançar a realização sexual. Lembre-se também que estar aberto (a) a novas possibilidades pode trazer mais satisfação tanto a você quanto a seu par. Então, esteja de mente aberta, esteja de corpo aberto, da cabeça aos pés. Muito prazer!