Sim, é possível ter prazer anal, independentemente se você é homem ou mulher, hetero ou homossexual. É uma região erógena com muitas terminações nervosas e por isso não há nada de errado em incluí-la nos rituais de prazer. Aqui vamos desmistificar um pouco mais esse assunto.

Homens e mulheres praticam sexo anal, mas a forma como se obtêm prazer com essa modalidade de sexo é diferente. O ânus tem terminações nervosas que se estimuladas proporcionam excitação e prazer. Mas no homem também tem, digamos, o "ponto G" anal, que é a próstata. A massagem nessa região é um plus para que eles consigam maior ereção e prazer.

As mulheres, no entanto, podem ter tanto prazer quanto os homens com o sexo anal, e elas podem se realizar sexualmente tanto quanto eles. Existem mulheres, inclusive, que não dispensam o sexo anal, e usam ele para chegar ao orgasmo vaginal.

 

Mitos e verdades sobre sexo anal

Trouxemos aqui 7 importantes questões para ajudar a quebrar tabus sobre o prazer anal. Confira agora!

1- Apenas homens homossexuais sentem vontade de praticar sexo anal

Mito. Como dissemos, o prazer anal não é exclusividade dos homens, tampouco dos homossexuais. Homens heterossexuais também podem praticar sexo anal, e não é isso que os faz homossexuais — nesse caso, os heterossexuais podem praticar principalmente com a parceira, inclusive com estimulação com brinquedos eróticos. Afinal, que homem já não ouviu falar sobre o "fio-terra", pratica-o ou mesmo já não teve curiosidade e vontade de experimentá-lo? Por outro lado, como ativos, os homens heterossexuais também sentem vontade de praticar sexo anal com suas parceiras, e isso deve ser encarado como natural tanto para eles quanto para elas, até porque, como já dissemos, é uma parte erógena e, portanto, também alvo de cobiça dos marmanjos. Há ainda as mulheres que têm fetiche por dominar homens também sendo ativas no sexo anal, com consolos.

2- Sexo anal dói

Mito e verdade. Verdade, dói se for iniciante (é natural, mas existe os géis anestesiantes que ajudam), também dói se a pessoa não estiver relaxada e se a região não estiver bem lubrificada. O ideal é praticar boas preliminares para haver a quebra de tensão e o consequente relaxamento dos parceiros, assim como fazer uso de cremes e géis lubrificantes, para evitar dores e lesões. Mito, não dói se a pessoa já tiver experiências tanto em termos de prática quanto de buscar os melhores artifícios para que o sexo aconteça sem dores e desconfortos, e esses artifícios podem incluir as preliminares, lubrificantes, melhores posições, a preparação do ambiente, os estímulos visuais, as provocações verbais, enfim, o máximo envolvimento possível entre os parceiros. O ideal é que não doa, claro, mas é bom ter em mente que, mesmo havendo alguma dor, o tesão, a excitação e o prazer podem se sobressair e satisfazer — desde que esteja bom para os envolvidos, então é bom respeitar a vontade do outro, com consenso acima de tudo.

 

3- O prazer anal se alcança apenas com a penetração

Mito. Se estimulada, qualquer pessoa pode sentir prazer de diferentes formas: na região externa do ânus (margem anal), no canal anal (parte interna) e no reto. Na região da margem anal e no início do canal anal costuma-se ter maior sensibilidade, enquanto no reto e próstata há mais receptores nervosos. Como dissemos, o "ponto G" do homem está na região da próstata, e o prazer aí pode ser proporcionado tanto pela massagem peniana quanto por outros estímulos, como com o dedo e de acessórios com curvatura ideal para alcançar a próstata.  

 

4- O prazer anal é diferente em homens e mulheres

Verdade. Tanto o homem quanto a mulher possuem o nervo pudendo, responsável pelo prazer na região anal. Só que, diferentemente do homem (que tem próstata), na mulher o prazer vem da estimulação nas outras partes anais já descritas. Por isso é também muito importante estimular seu clitóris, lábios vaginais e o ponto G vaginal. É claro que existem mulheres que têm pouco ou nenhum prazer com essa prática, e fazem para realizar seus parceiros, mas existem as que sentem muito prazer anal e o consideram até mais importante que a penetração vaginal.

 

5- Sexo anal sem camisinha não é saudável

Mito e verdade. No sexo anal os riscos de contaminação e transmissão de doenças são maiores do que no sexo oral e vaginal. Por isso, os cuidados com proteção devem ser iguais ou maiores. Mito, porque isso por si só não torna o sexo anal prejudicial à saúde. Verdade, mas com ressalvas, porque, por exemplo, se os parceiros estão numa relação estável e confiável, e se estão higienizados e decidem abrir mão do preservativo, é algo que cabe apenas a eles, sempre com a ciência de que existem riscos maiores à saúde, pois é uma região com contenção de bactérias.

 

6- Sexo anal é mais que fetiche

Verdade. Além do prazer anal propriamente dito, essa forma de sexo pode proporcionar benefícios de ordem física, emocional e social. Para ambos os sexos, melhora a imunidade, também a intimidade do casal, pode melhorar a frequência evacuatória, e é uma possibilidade quando a mulher está menstruada. Para os homens, pode ser mais prazeroso se comparado ao sexo vaginal. Para as mulheres, reduz o medo e o risco de gravidez.

7- Sexo anal deixa a pessoa com problemas anais

Mito. Desde que praticado com bastante lubrificante e cuidados, principalmente ir com calma no início da penetração. Um questionamento comum é se o ânus volta ao tamanho normal, especialmente se o pênis for mais avantajado. Sim, o ânus tem elasticidade e não é o sexo anal que será capaz de alterar o tamanho, desde que seja realizado conforme já dissemos anteriormente.

 

Dicas para potencializar o prazer com sexo anal

É claro que, principalmente quando se trata de iniciante, são necessários preparo psicológico, respeito e delicadeza.

A limpeza prévia do reto com ducha íntima, também conhecida como "chuca", é sugerida, mas atenção, deve usar água esterilizada (filtrada e fervida) ou soro fisiológico encontrado nas farmácias.

Estar aberto, disponível, relaxado e desejando viver integralmente essa experiência é um dos mais importantes passos, então procure maneiras de proporcionar esse relaxamento a si e a seu par — joguinhos, fantasias... Ressaltando que nesse sentido boas preliminares são fundamentais.

Também é muito importante o uso de lubrificantes, porque o ânus não tem lubrificação natural, e assim evita dores e rompimento de vasos.

No início da relação sexual anal, é necessário ter cuidado e delicadeza na penetração e nos movimentos, para que tudo flua sem dor. Para potencializar o tesão e minimizar o risco de desconforto, a aplicação de géis e cremes excitantes é uma boa pedida, pois proporcionam sensações e relaxamento na região.

Lembre-se de que não é só com penetração do pênis que o sexo anal é feito, existem as possibilidades de brincar com os dedos, com brinquedos eróticos, como vibradores e plugs, entre outras coisas que você e seu par podem descobrir juntos.

E não alterne a penetração entre vagina e ânus (por causa do risco de transferência de micro-organismos nocivos). Para isso, faça substituição do preservativo.

 

Prazer anal depende antes de tudo de diálogo e conexão

Como você vê e pratica o sexo anal? Você tem dificuldade de falar ou praticar essa forma de sexo com seu parceiro ou parceira?

Se sim, antes de mais nada, converse abertamente com seu par, com bastante franqueza, revelando seu desejo, sua curiosidade, sobre a intimidade de vocês, sobre o que já proporciona prazer a vocês mas também o que pode vir a proporcionar prazer, sobre as partes erógenas de cada um, proponha descobri-las ainda mais. Busquem a tão falada variação, a variedade. Busquem se entender e se conectar antes e principalmente durante o sexo anal. Com as informações e dicas dadas aqui vocês podem ir ainda mais longe! Muito prazer!